Notícias

07/02/2018

Novo radar vai monitorar Grande Curitiba a partir de março

O radar meteorológico Banda X vai monitorar a Região Metropolitana de Curitiba a partir de março, fornecendo dados, minuto a minuto, para ações de prevenção de desastres naturais. O equipamento cedido ao Governo do Estado pela empresa Japan Radio Company (JRC) está instalado na sede do Simepar. Em fevereiro, passa por uma fase de adaptação, calibração das informações e testes, e começa a funcionar efetivamente, enviando informações precisas, a partir do mês que vem.

O equipamento foi cedido através de uma parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) e não terá custos para o Estado.

A diferença do Banda X em relação aos radares que já estão em operação no Estado - em Teixeira Soares (Centro-Sul) e em Cascavel (Oeste) - está na precisão dos dados coletados. O Banda X é de curto alcance e voltado para os grandes centros urbanos, com monitoramento feito a cada minuto e num ponto específico. Já a informação em tempo normal dos demais radares costuma a ser de cerca de 15 minutos.

A Coordenação Estadual de Proteção e Defesa Civil do Paraná passa a ser a única a dispor dessa tecnologia que poderá servir de modelo para outros estados avançarem na prevenção de desastres. “No Brasil não existe nada igual, com monitoramento constante de minuto a minuto e que relaciona a quantidade de chuva com possíveis deslizamentos. Esse projeto é pioneiro e pode auxiliar no avanço meteorológico de outros estados”, afirma o subchefe operacional da Defesa Civil, tenente Marcos Vidal.

RESPOSTA - Os técnicos do Simepar e da Defesa Civil foram capacitados pelas equipes do Japão para operar o radar equipamento. “O radar gera informação de uma área específica na Região Metropolitana. Isso vai resultar num melhor tempo de resposta do Sistema de Monitoramento e Previsão Hidrométrica do Estado, especificamente, na região monitorada”, destaca o tenente Vidal. O Simepar encaminha as informações à Defesa Civil, que é responsável por monitorar as condições e, caso necessário, enviar os alertas aos municípios.

O radar Banda X coletará as informações pluviométricas e fará o cruzamento com informações de deslizamentos já ocorridos na Região Metropolitana de Curitiba. Com isso, o Sistema de Previsão de Deslizamentos contará com indicação de prováveis ocorrências, permitindo a emissão de alertas antecipados de desastres.

De acordo com o tenente, além do apoio geral em monitoramento, o radar será utilizado como modelo de previsão de deslizamento para o município de Almirante Tamandaré e Rio Branco do Sul. “Este modelo permitirá a emissão de alertas precoces do risco de deslizamento em situações críticas”.

O tenente Marcos Vidal explica que o Paraná é referência quando o assunto é prevenção de riscos e desastres. Por esse motivo, e pela estrutura compatível com as necessidades operacionais do radar Banda X, o Estado foi escolhido para abrigar a tecnologia. “Somos referência nacional e temos capacidade para absorver essa demanda e replicá-la”, diz.

(BOX)
Investimento em prevenção de risco chega a R$ 100 milhões

A instalação do radar Banda X faz parte do programa de Fortalecimento de Gestão de Risco de Desastre no Paraná, que abrange o fortalecimento da infraestrutura de prevenção, investimento em conhecimento e a articulação institucional. O projeto é coordenado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, em conjunto com o Simepar, Defesa Civil, Instituto das Águas do Paraná e Instituto de Terras, Cartografia e Geociências do Paraná (ITCG).

Desde 2011, o Governo do Estado investiu R$ 100 milhões para prevenção de desastres. Foi criado o Centro Estadual de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cegerd), que reúne informações de diversos órgãos para emitir alerta de desastres aos municípios e faz a gestão em caso de eventos climáticos. O Paraná também se tornou o primeiro e único estado brasileiro em que 100% dos municípios têm um Plano Municipal de Contingência de Proteção e Defesa Civil.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.